segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

A incrível força gay


Que Sean Penn é um mestre em interpretação todo mundo tá cansado de saber. Mas reafirmar isso com tanta categoria só mesmo assistindo a "Millk", o filme que levou às suas mãos ontem à noite a estatueta do Oscar de Melhor Ator. A sensibilidade e a plasticidade que adotou para encarnar Harvey Milk, o primeiro político homossexual eleito nos EUA, foram determinantes.

Além das questões políticas, sociais e de poder que o filme traz, não podemos deixar de lado a grande faceta que justifica o prêmio: transmitir a incrível força gay.

É difícil compreender e aceitar essa forma no mundo ocidental. Priorizamos o intelecto e a racionalidade como méritos humanos. Mal sabemos que a grande possibilidade da vida está concentrada nas relações afetivas, seja com que for. Este é o conteúdo. E ser gay é dar valor ao sentimento, ao amor de que somos feitos e que nos une nesse mundo afora. Esta é a mensagem da qual não podemos fugir: a força é a da prática do amor.

O cinema, que usa o seu alto poder ideológico para manipular, nos é útil quando (re)produz histórias verídicas como a de Millk. Se quisermos, podemos até acreditar num cunho educativo. Sim, pois retratar aqueles fatos, tão marcantes para a comunidade homossexual americana da década de 70, é reviver o começo de uma luta. É instalar essa incrível força contra o preconceito na memória coletiva, que a terá como o pontapé inicial para as lutas que seguem. Afinal, o futuro é sempre resultado da projeção de algo por que passamos. É o movimento que os une e os fortalece contra o preconceito.

Como o próprio Harvey Millk dizia: "Formamos uma força gay nacional".

15 comentários:

Liipee disse...

Olha.
vou ser bem sincero contigo..
Ele mereceu o oscar.
assim como o Bradd..
sobre amar..
nem acredito nessas coisas ae..
de que: "E ser gay é dar valor ao sentimento, ao amor de que somos feitos e que nos une nesse mundo afora. Esta é a mensagem da qual não podemos fugir: a força é a da prática do amor."

Nã.
Não gosto de gays, e nem aprovo isso...
mas legal você aprovar o 'amor' em si..
e tentar mostrar o lado bom..
da história de Harvey Milk.

abraço !

Rodrigo Andolfato disse...

Legal o texto! Não tenho nada contra gays, já encontrei alguns insuportáveis e outros incrivelmente geniais, como acontece com boa parte dos grupos sociais que conheço. Quero assistir Milk e séu post reforçou esta vontade! Sean Penn sempre vale o ingresso.

Um Abração.

Rosangela A. Santos disse...

Adorei o seu blog .. já sei onde buscar dicas que realmente valem a pena sobre filmes .. e esse que vc comentou já vou por na lista ..

Abç.

André. disse...

o pepino é o laboratorio para interpletar uma bicha. o cara vai ter que dar a bunda. o sean penn deve ter engolido muito croquete. lembro dele como retardado...acho que ele se dedicou tanto que nem voltou- fiquei engatado nele desde que ele cagava a madonna de pau-depois ele matou a pau em colors e nos ultimos passos de um homem - até hoje toco uma pensando na susan sarandom. existe muito mais lideres gays que voce pode imaginar...mas eles nao assumem isso. vou ver este filme direto.fui

Camila disse...

Eu não vi o filme, mas me parece incrível! Ótimo texto!

Viva o amor sem preconceito! lol

Té mais

Acredite nos feitiços da vida ! disse...

Acho q o filme deve ser uma otimo meio de abordar esse preconceito tão mesquinho que existe
niguem pode ser punido ou recriminado por amar diferente desde que faça isso com respeito não ha nada de mal,
otimo texto
bjÔ

Pitadinha de Amor disse...

obrigada por comentar no meu blog posso te linka ?

PROTESTOS E disse...

As pessoas confundem amar com sexualidade.Você vincula uma coisa a outra só se quiser.ás evzes vincular significa confundir.
Bom texto e deve ser um otímo filme.

O Frango... ® disse...

O Sean Penn tá simplesmente perfeito nesse filme. O Oscar foi só a confirmação disso (mesmo concorrendo com o Mickey Rourke, do Lutador).

E o filme mostra bem isso que você falou. A força gay. Até nos comentários aqui do blog você já vê um certo preconceito com relação à sexualidade das pessoas. O filme mostra como eles podem vencer em meio a tudo isso. E com um ator fantástico interpretando...

Alice Daniel disse...

Assim como não concordo com cotas para negros no vestibular, também não concordo com grandes manifestações gays. Para mim elas só fortalecem o preconceito. Se todos são iguais, o direitos também o são.

Rogerio Martins disse...

Não assisti o filme, mas li a crítica sobre a atuação dele. Depois do que li fiquei com muita vontade de ver o filme. Gosto do trabalho dele, da interpretação sempre diferenciada. O cara é bom pra caramba. Mereceu o Oscar.

JuHits disse...

Ooops!!

Discussões calorosas por aqui!!

Martinha disse...

é... bem calorosas!!!!

André Luís Leite disse...

uma vez fui fazer o beijo no asfalto do nelson rodrigues e o outro ator se negou a me beijar de lingua...a partir da me decepcionei com a interpletaçao. ator bom se tiver que dar a bunda num laboratorio que de - se tiver que fazer uma cena de sexo de verdade camuflada que faça...sean penn é fodao pois engatou a putona da madonna. quanto ao filme tenho que esperar ele chegar no camelodromo de minha cidade.

Ryan disse...

ninguem tem o direito de se meter no "campo florido sob céu estrelado" das outras pessoas. se alguem é feliz sendo gay, que seja, o mesmo vale pra qualquer outro tipo de caso, desde que isso não desrespeite leis públicas, nem mate, nem roube, etc...

sou hetero, mas apoio os gays, por que eles tem o direito de fazerem o que quizerem, afinal de contas a vida é deles!!!!